• Observatorio Social da Covid-19

Poetizando o vírus da maldade branca

Eni Carajá Filho – Abril de 2020


Sou indígena sim com autodeclaração, o padrão de vida não interessa pois, o pânico não fomos nós que espalhamos.

Nosso papel é o de buscar entender porque nos tratam como párias, se o vírus é letal ao mundo externo.

Esse contágio social já passou por aqui há alguns séculos, no plano karaí daquele que governa e suga o povo.

Fabrica pobreza, gera empobrecimento, mas o dinheiro que tu utiliza, não é maior que a importância do propalado isolamento.

Isola não é abandonar os seus a própria sorte, na ponderação de que devemos estar em casa, ou optar pela morte.

Nosso povoamento de pessoas simples não da trela ao peleguismo, nosso remédio é nossa planta pelas mãos do Xamanismo.

De letramento ao aprendizado, índio tem a educar, pois trate de seu lixo, asseie com álcool em gel, vírus a eliminar.

A mancha branca no poder que acha ser personalidade, não sabe ou reconhece que no meio urbano, temos muito “índio de verdade.”

Nossos povos que tem brilho e combate o paternalismo, quer paz e mais sossego do mundo que vive em função do capitalismo.

Corona vírus, pandemia anunciada, aqui não tem nenhuma moleza, seu parâmetro é a morte e o nosso é preservar a terra e nossa mãe natureza.

Nosso parentesco divino, de tupã que em nós está estimula a participação na educação, solidariedade com o próximo, assim como os primeiros cristãos.

Sou sim politeísta de visão contracolonialista, pelas possibilidades de polarização do bem, fico em casa só olhado para o Brasil que o povo tem.

Nação que fala em balburdia de estudante pesquisador, que não aproveita conhecimento indígena nas ações afirmativas requerendo seu valor.

Local que se esconde atrás de um vírus, fazendo a todos enganar, deixando o povo dividido, melhor maneira de sozinho reinar.

Assim sigo pensando, porque estudar o comportamento humano, eles nos vigiam e espiam, impõe um lado soberano.

Mas a nossa aliança para sempre há de durar, agimos com gente séria, no combate a esse vírus com dedicação, limpeza e apoio popular.


9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

PARA VOCÊ, CORONA, UM NAMASTÊ!

Por: Ivana Andrés Te pergunto, meu amigo, Que vive este tempo comigo. Tempo de grandes perigos, Tempo do coronavírus. O corona quer te matar? Ou ele só quer viver? Coloque-se no lugar dele E deixe o c

PANDEMIA E PANDEMÔNIO

Por: Ivana Andrés Quando a pandemia se transforma em pandemônio, Um voo cego de morcego vira conspiração. Teoria que coloca em suspeita e suspeição, Não a natureza largada, mal cuidada, maltratada, Ma