• Observatorio Social da Covid-19

PARA VOCÊ, CORONA, UM NAMASTÊ!

Por: Ivana Andrés


Te pergunto, meu amigo,

Que vive este tempo comigo.

Tempo de grandes perigos,

Tempo do coronavírus.

O corona quer te matar?

Ou ele só quer viver?

Coloque-se no lugar dele

E deixe o corona falar.

Mas fique longe e lhe diga:

Não me toques, pois só dou

Com mãos postas para você,

De longe, um Namastê!


E o Corona respondeu:

Caro hospedeiro amigo

Que tem me dado tanto abrigo,

Eu não quero te matar,

Eu quero apenas viver!

Se eu saltei de um morcego

E encontrei tanto chamego

Num enorme corpo humano,

Só por agradecimento,

Me dá um abraço e um beijo!

Eu não quero de você

Apenas um Namastê!


Se lambi muitos narizes,

E deixei marcas, cicatrizes,

Saiba que amo os coroas,

Aquele pulmão velho e feio,

Árvore de ponta cabeça

Com um coração no meio.

Enfim achei o companheiro,

Parceiro para se jogar,

Hospedeiro para brincar.

Vem que eu quero te tocar,

Vem que eu quero de você

Bem mais do que um Namastê!


Se assim acontecer,

Fique longe, meu amigo!

Sua casa é um abrigo

E seu corpo é a sua casa,

Onde habita um Deus, você!

Com um simples Namastê

O Deus que habita em mim,

Saúda o Deus que habita em você.

Fique então longe do vírus

E lhe diga, se é vida ou é morte,

Eu também quero viver!

Sinto muito, mas para você,

Só vai este Namastê!

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

PANDEMIA E PANDEMÔNIO

Por: Ivana Andrés Quando a pandemia se transforma em pandemônio, Um voo cego de morcego vira conspiração. Teoria que coloca em suspeita e suspeição, Não a natureza largada, mal cuidada, maltratada, Ma

O EU E O OUTRO

Por: Ivana Andrés Eu sou eu só para mim, Minha subjetividade, meu ego. O sujeito, a consciência de si, É a minha consciência, A consciência de mim. Devo então cuidar de mim, Cultivar minha subjetivida